1ª Supervisão da Formação em Puericultura Práticas Ampliadas do Programa São Paulo pela Primeiríssima infância de Monções

1ª Supervisão da Formação em Puericultura Práticas Ampliadas do Programa São Paulo pela Primeiríssima infância de Monções

segunda-feira, 29 de maio de 2017

No dia 18 de maio aconteceu a primeira reunião de supervisão do Programa São Paulo Pela Primeiríssima Infância, uma parceria entre o Município de Monções e o Governo do Estado, por meio da Fundação Maria Cecília Souto Vidigal (FMCSV). O tema abordado na reunião foi “Formação em Puericultura Práticas Ampliadas”, realizada no Centro Comunitário, das 9h às 16h. O evento contou com a presença e condução da Profissional Reginalice Cera da Silva da (FMCSV), Articuladoras da Atenção Básica Elaine Baldim, Rossana Santos, Profissionais do SENAC de Votuporanga, Primeira Dama Camila F. de O. Honorato, Municípios de Monções, Macaubal, Nhandeara e Sebastianópolis. Agradeço as equipes, pois a supervisão foi rica e fortalecedora das ações. Obrigado a todos os envolvidos que compareceram no evento, representantes dos Departamentos de Saúde, Educação e Promoção Social.

Os três primeiros anos de vida são os mais importantes na longa jornada de desenvolvimento do ser humano.

O desenvolvimento na Primeiríssima Infância é parte do processo que ocorre durante toda a vida do ser humano. No entanto, esses três primeiros anos são o alicerce de todas as aquisições futuras de um indivíduo. O ambiente de cuidados e respeito a criança, compreendendo nutrição, atenção, afeto, estimulação e oportunidades de aprendizado, influencia o desenvolvimento do cérebro, favorecendo a conexão entre os neurônios.

A visão ampliada da puericultura, como promoção do desenvolvimento infantil integral, vai além da preocupação com aspectos biomédicos.

A puericultura, comprometida com a abordagem integral e integrada da criança, não pode se restringir a medir, pesar e vacinar. Deve também promover amplamente sua saúde, entendida como bem-estar físico, cognitivo e psicossocial. Para tanto, as práticas dos profissionais dos diversos setores que tem oportunidade de contato com as famílias e as crianças precisam ser exploradas, buscando superar ações fragmentadas e especificas ou orientações universalizadas sem a observação singular de cada criança. É preciso construir práticas de cuidado sensível centrado no fortalecimento das famílias e das crianças.